Oficina do poder
/  Modificações  /  Travões

Os travões do Smart...

 

Um dos principais factores que melhoram a segurança do automóvel é o poder de travagem. A força de pressão que é exercida nas pastilhas contra os discos provoca atrito e faz com que o carro trave. Este sistema é comandado pelo pedal do travão onde a pressão é transformada em pressão hidráulica e quanto mais eficiente for este sistema, mais rapidamente se consegue parar o carro.

 

Infelizmente, nem todos os carros dispõem de um bom sistema de travagem. Bons travões requerem melhores materiais e componentes de boa qualidade, o que vai aumentar o custo de produção, por isso, os travões são pensados para a utilização que o carro terá quando for colocado a venda. No caso do Smart, o sistema de travagem é composto por discos e pastilhas standard à frente e tambores atrás, em todos os modelos, excepto no ForFour. O sistema de travagem que vem de fábrica serve para uma condução em meio urbano mas para um estilo de condução mais desportiva, o sistema torna-se insuficiente pois quanto mais velocidade, o carro precisa de travar mais e melhor para conseguir parar rapidamente.

 

Vale a pena melhorar os travões do Smart?..

A segurança é um dos pontos fundamentais e não deve ser esquecida, principalmente quando se altera o carro para que este atinja velocidades elevadas, daí serem necessários melhores travões para conseguir parar o carro e segurança. 

 

Optimizar os travões do Smart...

 

Sempre que se começa a idealizar um melhor sistema de travagem, deve-se subdividir o sistema pelos vários intervenientes que actuam na travagem:

Discos: o material utilizado na construção do disco influência a capacidade de travagem e a absorção do calor. A utilização de discos furados e rasurados ajuda na redução das temperaturas na travagem o que aumenta a resistência à fadiga. Em última opção, pode-se usar discos ventilados ou de maiores dimensões, mas para isso, é necessário usar outro tipo de maxilas.

Pastilhas: os compostos utilizados são bastante importantes. Devem ter um elevado coeficiente de atrito onde a capacidade de absorção de calor representa um papel muito importante. Não devem perder as suas características quando estão a temperaturas mais elevadas, tendo assim uma boa resistência à fadiga.

Maxilas: quanto maior for a força que exercem na pastilha, melhor será a travagem. Vão também ajudar a absorver algum calor produzido na travagem. O sistema de travagem original tem apenas um êmbolo mas pode-se optar por um kit de travagem que pode ter 2, 4, 6 ou até 8 êmbolos.

Líquido de travão: é o liquido que se encontra no sistema de travagem. Transfere a força aplicada no pedal de travão através dos tubos ao êmbolo da maxila. Existem vários tipo de líquidos, DOT3, DOT4, DOT5 e não se deve misturar líquidos. No caso do Smart, o aconselhado é DOT4. Em caso de condução mais desportiva, pode ser usado DOT 4 racing.

Tubos de travão: estão encarregues de levar o óleo de travões até aos êmbolos. Não devem expandir com o calor para não alterar a pressão. Quando isso acontece, nota-se o pedal mais esponjoso. Para resolver o problema, utiliza-se tubos em malha de aço.